27 de julho de 2022

Quais as diferenças entre os tipos de financiamento de imóveis?

Fazer um financiamento é uma parte muito importante para quem está interessado em comprar um imóvel. Porém, é um assunto que pode levantar muitas dúvidas sobre vantagens, benefícios e diferenças entre os tipos de financiamento.

Abaixo, vamos explicar os principais e suas características:

– Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

Esse é o principal modelo de financiamento usado no Brasil hoje. É feito pelo Governo Federal, e garantido através de recursos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos) e do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Conheça algumas características desse tipo de financiamento:

  • Financiamento de imóveis residenciais até R$1,5 milhão;
  • Juros de até 12% ao ano;
  • Só pode ser contratado por Pessoa Física;
  • Prazo máximo da quitação do financiamento é de 420 meses (35 anos);
  • Não pode ser pedido por pessoas negativadas no Serasa, SPC ou com irregularidades no Banco Central ou Receita Federal;
  • Imóvel tem que ser residencial e em área urbana;
  • Pode ser usado o FGTS como abatimento do valor do imóvel, desde que tenha 10% do valor total .

– Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI)

Assim como o SFH, o Sistema de Financiamento Imobiliário também é feito pelo Governo Federal, e serve como um complemento, já que é aplicado aos financiamentos onde não se aplica o SFH.

Esse sistema é muito utilizado por investidores do setor imobiliário, o que faz com que seja aplicado em imóveis de valores mais elevados.

Essas são algumas características do SFI:

  • Pode financiar imóveis de valor acima de R$1,5 milhões;
  • Não há limite de renda comprometida;
  • Pode ser contratado por Pessoa Física ou Pessoa Jurídica;
  • Prazo de quitação de no máximo 420 meses (35 anos);
  • Pode ser usado o FGTS para abater até 80% do valor total do imóvel;
  • Não há limites para juros.

– Programas Habitacionais

Os programas habitacionais são criados pelo Governo Federal, geralmente com o intuito de viabilizar a compra de imóveis residenciais para famílias de baixa renda e diminuir o déficit habitacional do país.

O principal programa habitacional do país é o Casa Verde e Amarela (antigo “Minha Casa Minha Vida”).

  • O programa hoje atende famílias com renda mensal de até R$ 7 mil, dividindo os grupos de renda com benefícios diferentes;
  • O valor máximo do imóvel é de R$ 264 mil;
  • O desconto máximo é de R$ 47,5 mil;
  • Pode ser usado para compra de imóvel novo, usado ou para construir um novo em área residencial.

Formas de Parcelamento

Seja qual for o modelo de financiamento que você escolher, uma coisa é certa: todos têm uma parcela mensal acrescida de juros. Ao escolher um financiamento, você também escolhe como a dívida será paga.

Esses são os principais:

– Sistema de Amortização Tabela Price:

Nesse sistema, as prestações do financiamento são fixas, os juros decrescentes e as amortizações crescentes. Ou seja, a maior parte dos primeiros pagamentos são os juros, o que faz com que os juros vão diminuindo conforme os meses.

Esse sistema é muito utilizado internacionalmente. No Brasil, por conta das altas taxas de inflação, esse modelo é pouco utilizado.

  – Sistema de Amortização Constante (SAC):

Nesse sistema, o valor de amortização é mantido durante todo o financiamento. Com isso, o valor das prestações é decrescente, ou seja: as últimas parcelas são mais baratas que as primeiras. Isso ocorre por conta de os juros irem diminuindo a cada parcela.

– Sistema de Amortização Crescente (SACRE):

Esse sistema é um meio termo entre os dois anteriores (Price e SAC): As prestações vão subindo por um determinado tempo, e depois vão diminuindo. Isso ocorre porque o sistema SACRE exige um pagamento de prestação inicial mais alto. Porém, o valor vai diminuindo conforme as prestações são pagas.